Blog

Domine a transformação digital para acelerar o seu negócio

É assim que o fazemos acontecer
As redes sociais em 2023: o bom, o mau, e o WTF
This is some text inside of a div block.

As redes sociais em 2023: o bom, o mau, e o WTF

É difícil acreditar que as redes sociais existem há cerca de 20 anos. Durante este tempo, tornou-se uma parte integrante das nossas vidas, e não há sinais de abrandamento!

Alguns acreditam que as redes sociais se tornarão mais pessoais, com plataformas a tornarem-se especializadas para diferentes demografias. Outros entendem que a inteligência artificial assumirá muitas das tarefas atualmente realizadas pelos humanos (como a moderação de conteúdos), conduzindo a uma experiência mais automatizada.

Aconteça o que acontecer, uma coisa é certa: as redes sociais continuarão a evoluir, e todos estaremos a assistir (e a utilizá-las)!

As redes sociais percorreram um longo caminho na última década.

Passámos de simples plataformas baseadas em texto para grandes espaços de informação interativos e altamente audiovisuais.

Mas o que é que o futuro nos reserva?

Primeiro, é preciso reconhecer que encontrar uma receita para manter os utilizadores envolvidos é o fator mais importante.

Então, comecemos com o lado bom!

1. Maior atenção à partilha privada

Na sequência de violações de dados e escândalos de privacidade, os utilizadores das redes sociais estão cada vez mais interessados em proteger as suas informações pessoais. Como resultado, podemos esperar ver um maior número de plataformas centradas na partilha privada, quer por mensagens diretas, quer por grupos pequenos e fechados.

2. Conteúdos mais personalizados

Os algoritmos continuarão a melhorar a mostrar-nos conteúdos que sejam relevantes para os nossos interesses e o nosso histórico da pesquisa. Este conteúdo personalizado pode assumir a forma de artigos, vídeos, ou mesmo anúncios, tornando as redes sociais uma parte ainda mais importante da do marketing.

No Facebook, por exemplo, assistiremos a um feed cada vez mais customizado aos nossos interesses com conteúdos recomendados pela IA. Espera-se, também, que isso aconteça, cada vez mais a partir de páginas que ainda não seguimos.

3. Maior destaque ao áudio

Com a popularidade dos podcasts a aumentar, os utilizadores estão cada vez mais habituados a consumir conteúdos neste formato. Veremos também um crescimento contínuo em plataformas como a TikTok e a Instagram Reels. Para as empresas, isto significa que agora é o momento de começar a experimentar conteúdo áudio e a pensar fora da caixa quando se trata deste formato.

4. O BeReal está em alta

O BeReal é uma aplicação de social media que se baseia na autenticidade e em ligações reais. E parece estar a fazer eco na comunidade, particularmente entre os mais jovens. Quer seja porque desejamos interacções mais genuínas ou simplesmente estamos cansados de ver fotografias perfeitamente filtradas, é evidente que o BeReal está a preencher uma necessidade no panorama das redes sociais.

5. As vantagens do UGC são numerosas

Uma das mudanças mais significativas será em direcção a uma forma mais autêntica e transparente de marketing conhecida como conteúdo gerado pelo utilizador (UGC).

O UGC autêntico é mais apreciado pelos consumidores do que a publicidade tradicional, e pode ser utilizado para criar uma ligação emocional com a marca. Isto pode assumir a forma de críticas de produtos, testemunhos, posts nas redes sociais, ou mesmo vídeos e anúncios criados pelo utilizador.

6. Conteúdo exclusivo para subscritores

Sim! já está em fase de testes e pode mesmo passar para o resto do mundo. O Instagram permitirá que os utilizadores subscrevam conteúdos dos seus criadores favoritos.

Desta forma, eles podem fazer stories, posts, reels, etc., apenas para aqueles que pagam a mensalidade, partilhando conteúdos únicos com os mais conectados.

Mudando agora para o menos bom…

Infelizmente, nem tudo sobre as redes sociais em 2023 é positivo, mas quando é que o foi?

Com a crescente popularidade do live-streaming, haverá mais oportunidades para o cyberbullying e assédio.

Além disso, a divulgação de notícias falsas continuará a ser um grande problema. Como vimos nos últimos anos, as redes sociais podem ser utilizadas para manipular a opinião pública e influenciar, por exemplo, eleições.

Além disso, as novas tecnologias como a realidade virtual e a realidade aumentada criarão novas oportunidades tanto para a ligação como... para a deceção.

E... Será que isto vai realmente acontecer?

E depois há os aspetos das redes sociais que não podemos sequer começar a prever.

Quem sabe que novas plataformas ou características irão surgir no próximo ano? Podemos até ver um regresso a formatos de comunicação mais tradicionais, como as mensagens de texto. Ou talvez todos estaremos apenas a comunicar através de emojis até 2023 (Sim, isso pode acontecer! 🙃)

À medida que mais e mais pessoas se juntam ao metaverso, as redes sociais procurarão provavelmente sensibilizar para a sua próxima fase de desenvolvimento em posts de RA. Esta nova forma de publicação irá proporcionar aos utilizadores uma variedade de novas features e experiências, incluindo a capacidade de observar as publicações em realidade aumentada.

Então, o que significa tudo isto para nós? 

As redes sociais em 2023 serão uma paisagem em constante evolução, com novas plataformas e características a surgir a todo o momento. 

Mas uma coisa é certa: vai ser emocionante!

Claro, ninguém sabe ao certo o que está para vir, mas é bom estar sintonizado com as possíveis mudanças!

Como é que o marketing digital afeta o comportamento dos consumidores?
This is some text inside of a div block.

É tudo sobre o consumidor

O marketing digital é uma das formas mais eficientes e eficazes de conectar os consumidores. Graças ao marketing digital, as empresas podem comunicar com os clientes através de uma variedade de canais, incluindo websites, email e plataformas de redes sociais.

Uma das grandes vantagens do marketing digital é que pode ser personalizado de forma a alcançar públicos específicos, tornando-o uma ferramenta poderosa para as empresas. No entanto, como estas dependem cada vez mais do marketing digital para chegar aos consumidores, é importante compreender como este tipo de marketing afeta o seu comportamento.

Neste artigo, iremos explorar alguns aspetos fundamentais que demonstram como o marketing digital influencia o comportamento do consumidor e como as empresas podem capitalizar estes efeitos. Fique atento!

Mas primeiro… O que é o comportamento do consumidor?

O comportamento do consumidor é o estudo de como as pessoas decidem o que comprar, o que consumir e quando se devem desfazer de determinado produto. Tal inclui uma série de ações, desde as transações mais simples, como comprar uma chávena de café, às mais complexas, como escolher um carro novo. Abrange todos os aspetos do processo de decisão do consumidor, desde a consciência inicial até ao comportamento pós-compra.

Se quiser vender mais produtos ou serviços, precisa de compreender o que motiva as pessoas a comprá-los. É, por isso, essencial entender também o papel do marketing digital a este nível.

Estudos sobre o comportamento do consumidor revelam o porquê de indivíduos ou organizações escolherem determinadas marcas em detrimento de outras quando compram produtos:

  • Fatores psicológicos: A forma como um indivíduo reage a uma campanha publicitária depende das suas perceções, atitudes e visão do mundo;
  • Fatores pessoais: A demografia, como a idade, cultura, profissão e antecedentes, define os interesses de um consumidor;
  • Fatores sociais: O grupo social de uma pessoa afeta os seus padrões de compra. Os seus rendimentos, nível de educação e classe social influenciam as suas escolhas.

A importância do marketing digital

O marketing digital é uma das ferramentas mais importantes que as empresas podem utilizar para alcançar novos clientes e para promover os seus produtos ou serviços. Num mundo cada vez mais conectado, as empresas necessitam de uma forte estratégia de marketing digital.

Existem aspetos muito distintos no marketing digital, mas alguns dos mais importantes incluem SEO, redes sociais e marketing de conteúdos. Ao concentrarem-se nestas áreas-chave, as empresas conseguem criar uma estratégia de marketing digital bem fundamentada, que as ajudará a atingir o seu público-alvo.

Tendo isto em mente, é possível destacar seis grandes vantagens do marketing digital que influenciam o comportamento dos consumidores:

  • Mantém os clientes informados das últimas tendências, uma vez que têm acesso imediato aos novos produtos ou serviços lançados;
  • As escolhas dos clientes aumentam, pois podem selecionar qualquer tipo de produto ou serviço e obter o melhor negócio;
  • Os clientes têm mais poder, porque têm a opção de dar feedback sobre os produtos ou serviços e de, consequentemente, tomar uma decisão de compra informada e inteligente;
  • Conveniência e serviço rápido – os clientes podem obter informações sobre o produto desejado com um simples clique e tomar decisões de compra rápidas, sem passar tempo numa loja;
  • As relações são incrementadas, visto que os clientes recebem um serviço de excelência, o que revela o grande impacto do marketing digital no seu comportamento;
  • Os clientes têm acesso constante a informação na Internet.

O impacto do marketing digital no comportamento do consumidor visto por diversos ângulos

Como é possível perceber, o marketing digital afeta, de facto, o comportamento do consumidor. Vejamos agora algumas formas concretas que nos mostram como isto acontece:

A capacidade de investigar e experimentar

Os consumidores já não ignoram os produtos. Eles são investigadores, especialmente quando fazem uma compra. Estão a ganhar mais conhecimentos à medida que a tecnologia lhes fornece toda a informação que necessitam através da Internet.

Além disso, têm agora muitos conteúdos a que podem recorrer para pesquisar e comparar diferentes produtos. Isto torna possível a experimentação de outra marca antes da escolha final. Assim, é possível ver que o marketing digital deu poder tanto às marcas, como aos consumidores.

Boca a Boca

O boca a boca é um dos fatores que mais afeta o comportamento dos consumidores. Estes estão sempre à procura do que as pessoas dizem sobre uma determinada marca. Com as redes sociais, os consumidores podem agora dar a conhecer as suas opiniões a um público mais vasto.

Isto é cada vez mais importante, tendo em conta que as marcas precisam de influencers que falem sobre elas, a fim de alcançarem cada vez mais pessoas.

Fidelidade incoerente do cliente

O marketing digital expõe os consumidores a uma grande variedade de produtos e serviços. Isto leva-os a procurar uma melhor relação custo-eficiência.

Atualmente, os clientes não só valorizam o custo de um produto, mas também fatores como o apoio ao cliente, o valor da marca e os descontos. Consequentemente, as marcas podem desenvolver mais características diferenciadoras e ofertas.

Embora tal possa parecer um fenómeno novo, é um comportamento que está apenas a ser destacado devido ao marketing digital.

Impulso no envolvimento do cliente

Devido à difusão da tecnologia móvel e da Internet, é mais fácil para os consumidores envolverem-se com as marcas.

Estas, por sua vez, percebendo esta tendência, agem em conformidade, fornecendo precisamente o que os clientes desejam.

Agora, o marketing digital serve de “ouvido” às marcas através dos dados que estas recolhem.

Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial tornou o marketing digital para marcas mais eficiente. É também uma forma eficaz de ajudar os consumidores a fazer melhores escolhas.

As marcas que recorrem à Inteligência Artificial têm uma vantagem significativa sobre as que não o fazem. E, uma vez que os consumidores estão sempre à procura de conveniência, eles irão optar por marcas que utilizam AI.

SEO

Apesar das mudanças que foram ocorrendo no marketing digital, há algo que permanece constante: as pessoas continuam a confiar nos motores de busca para as ajudar a tomar decisões. Portanto, o SEO é uma das melhores práticas para influenciar comportamentos.

A maioria das pessoas usa o Google ou motores de busca semelhantes para procurar informação. E a maioria também nunca passa da primeira página de resultados do Google. Por isso, é importante que mantenha a sua marca visível na primeira página e nos primeiros links da página de resultados.

Desta forma, as empresas criam conteúdos úteis e atraem backlinks para que consigam obter a melhor classificação possível e para se destacarem face à concorrência.

Tire o máximo partido do digital marketing!

Então, o que aprendeu com este artigo? Em primeiro lugar, o marketing digital está em constante evolução e a mudar a forma como os consumidores se comportam.

Em segundo lugar, é importante acompanhar estas mudanças, a fim de se manter à frente da concorrência.

Finalmente, a compreensão de como o marketing digital afeta o comportamento do consumidor pode ajudá-lo a criar campanhas mais eficazes e a melhorar os seus resultados.

Está preparado para testar este conhecimento? Contacte-nos para saber mais.

ÚLTIMOS ARTIGOS
As redes sociais em 2023: o bom, o mau, e o WTF

As redes sociais em 2023: o bom, o mau, e o WTF

É difícil acreditar que as redes sociais existem há cerca de 20 anos. Durante este tempo, tornou-se uma parte integrante das nossas vidas, e não há sinais de abrandamento!

Alguns acreditam que as redes sociais se tornarão mais pessoais, com plataformas a tornarem-se especializadas para diferentes demografias. Outros entendem que a inteligência artificial assumirá muitas das tarefas atualmente realizadas pelos humanos (como a moderação de conteúdos), conduzindo a uma experiência mais automatizada.

Aconteça o que acontecer, uma coisa é certa: as redes sociais continuarão a evoluir, e todos estaremos a assistir (e a utilizá-las)!

As redes sociais percorreram um longo caminho na última década.

Passámos de simples plataformas baseadas em texto para grandes espaços de informação interativos e altamente audiovisuais.

Mas o que é que o futuro nos reserva?

Primeiro, é preciso reconhecer que encontrar uma receita para manter os utilizadores envolvidos é o fator mais importante.

Então, comecemos com o lado bom!

1. Maior atenção à partilha privada

Na sequência de violações de dados e escândalos de privacidade, os utilizadores das redes sociais estão cada vez mais interessados em proteger as suas informações pessoais. Como resultado, podemos esperar ver um maior número de plataformas centradas na partilha privada, quer por mensagens diretas, quer por grupos pequenos e fechados.

2. Conteúdos mais personalizados

Os algoritmos continuarão a melhorar a mostrar-nos conteúdos que sejam relevantes para os nossos interesses e o nosso histórico da pesquisa. Este conteúdo personalizado pode assumir a forma de artigos, vídeos, ou mesmo anúncios, tornando as redes sociais uma parte ainda mais importante da do marketing.

No Facebook, por exemplo, assistiremos a um feed cada vez mais customizado aos nossos interesses com conteúdos recomendados pela IA. Espera-se, também, que isso aconteça, cada vez mais a partir de páginas que ainda não seguimos.

3. Maior destaque ao áudio

Com a popularidade dos podcasts a aumentar, os utilizadores estão cada vez mais habituados a consumir conteúdos neste formato. Veremos também um crescimento contínuo em plataformas como a TikTok e a Instagram Reels. Para as empresas, isto significa que agora é o momento de começar a experimentar conteúdo áudio e a pensar fora da caixa quando se trata deste formato.

4. O BeReal está em alta

O BeReal é uma aplicação de social media que se baseia na autenticidade e em ligações reais. E parece estar a fazer eco na comunidade, particularmente entre os mais jovens. Quer seja porque desejamos interacções mais genuínas ou simplesmente estamos cansados de ver fotografias perfeitamente filtradas, é evidente que o BeReal está a preencher uma necessidade no panorama das redes sociais.

5. As vantagens do UGC são numerosas

Uma das mudanças mais significativas será em direcção a uma forma mais autêntica e transparente de marketing conhecida como conteúdo gerado pelo utilizador (UGC).

O UGC autêntico é mais apreciado pelos consumidores do que a publicidade tradicional, e pode ser utilizado para criar uma ligação emocional com a marca. Isto pode assumir a forma de críticas de produtos, testemunhos, posts nas redes sociais, ou mesmo vídeos e anúncios criados pelo utilizador.

6. Conteúdo exclusivo para subscritores

Sim! já está em fase de testes e pode mesmo passar para o resto do mundo. O Instagram permitirá que os utilizadores subscrevam conteúdos dos seus criadores favoritos.

Desta forma, eles podem fazer stories, posts, reels, etc., apenas para aqueles que pagam a mensalidade, partilhando conteúdos únicos com os mais conectados.

Mudando agora para o menos bom…

Infelizmente, nem tudo sobre as redes sociais em 2023 é positivo, mas quando é que o foi?

Com a crescente popularidade do live-streaming, haverá mais oportunidades para o cyberbullying e assédio.

Além disso, a divulgação de notícias falsas continuará a ser um grande problema. Como vimos nos últimos anos, as redes sociais podem ser utilizadas para manipular a opinião pública e influenciar, por exemplo, eleições.

Além disso, as novas tecnologias como a realidade virtual e a realidade aumentada criarão novas oportunidades tanto para a ligação como... para a deceção.

E... Será que isto vai realmente acontecer?

E depois há os aspetos das redes sociais que não podemos sequer começar a prever.

Quem sabe que novas plataformas ou características irão surgir no próximo ano? Podemos até ver um regresso a formatos de comunicação mais tradicionais, como as mensagens de texto. Ou talvez todos estaremos apenas a comunicar através de emojis até 2023 (Sim, isso pode acontecer! 🙃)

À medida que mais e mais pessoas se juntam ao metaverso, as redes sociais procurarão provavelmente sensibilizar para a sua próxima fase de desenvolvimento em posts de RA. Esta nova forma de publicação irá proporcionar aos utilizadores uma variedade de novas features e experiências, incluindo a capacidade de observar as publicações em realidade aumentada.

Então, o que significa tudo isto para nós? 

As redes sociais em 2023 serão uma paisagem em constante evolução, com novas plataformas e características a surgir a todo o momento. 

Mas uma coisa é certa: vai ser emocionante!

Claro, ninguém sabe ao certo o que está para vir, mas é bom estar sintonizado com as possíveis mudanças!

Como é que o marketing digital afeta o comportamento dos consumidores?

É tudo sobre o consumidor

O marketing digital é uma das formas mais eficientes e eficazes de conectar os consumidores. Graças ao marketing digital, as empresas podem comunicar com os clientes através de uma variedade de canais, incluindo websites, email e plataformas de redes sociais.

Uma das grandes vantagens do marketing digital é que pode ser personalizado de forma a alcançar públicos específicos, tornando-o uma ferramenta poderosa para as empresas. No entanto, como estas dependem cada vez mais do marketing digital para chegar aos consumidores, é importante compreender como este tipo de marketing afeta o seu comportamento.

Neste artigo, iremos explorar alguns aspetos fundamentais que demonstram como o marketing digital influencia o comportamento do consumidor e como as empresas podem capitalizar estes efeitos. Fique atento!

Mas primeiro… O que é o comportamento do consumidor?

O comportamento do consumidor é o estudo de como as pessoas decidem o que comprar, o que consumir e quando se devem desfazer de determinado produto. Tal inclui uma série de ações, desde as transações mais simples, como comprar uma chávena de café, às mais complexas, como escolher um carro novo. Abrange todos os aspetos do processo de decisão do consumidor, desde a consciência inicial até ao comportamento pós-compra.

Se quiser vender mais produtos ou serviços, precisa de compreender o que motiva as pessoas a comprá-los. É, por isso, essencial entender também o papel do marketing digital a este nível.

Estudos sobre o comportamento do consumidor revelam o porquê de indivíduos ou organizações escolherem determinadas marcas em detrimento de outras quando compram produtos:

  • Fatores psicológicos: A forma como um indivíduo reage a uma campanha publicitária depende das suas perceções, atitudes e visão do mundo;
  • Fatores pessoais: A demografia, como a idade, cultura, profissão e antecedentes, define os interesses de um consumidor;
  • Fatores sociais: O grupo social de uma pessoa afeta os seus padrões de compra. Os seus rendimentos, nível de educação e classe social influenciam as suas escolhas.

A importância do marketing digital

O marketing digital é uma das ferramentas mais importantes que as empresas podem utilizar para alcançar novos clientes e para promover os seus produtos ou serviços. Num mundo cada vez mais conectado, as empresas necessitam de uma forte estratégia de marketing digital.

Existem aspetos muito distintos no marketing digital, mas alguns dos mais importantes incluem SEO, redes sociais e marketing de conteúdos. Ao concentrarem-se nestas áreas-chave, as empresas conseguem criar uma estratégia de marketing digital bem fundamentada, que as ajudará a atingir o seu público-alvo.

Tendo isto em mente, é possível destacar seis grandes vantagens do marketing digital que influenciam o comportamento dos consumidores:

  • Mantém os clientes informados das últimas tendências, uma vez que têm acesso imediato aos novos produtos ou serviços lançados;
  • As escolhas dos clientes aumentam, pois podem selecionar qualquer tipo de produto ou serviço e obter o melhor negócio;
  • Os clientes têm mais poder, porque têm a opção de dar feedback sobre os produtos ou serviços e de, consequentemente, tomar uma decisão de compra informada e inteligente;
  • Conveniência e serviço rápido – os clientes podem obter informações sobre o produto desejado com um simples clique e tomar decisões de compra rápidas, sem passar tempo numa loja;
  • As relações são incrementadas, visto que os clientes recebem um serviço de excelência, o que revela o grande impacto do marketing digital no seu comportamento;
  • Os clientes têm acesso constante a informação na Internet.

O impacto do marketing digital no comportamento do consumidor visto por diversos ângulos

Como é possível perceber, o marketing digital afeta, de facto, o comportamento do consumidor. Vejamos agora algumas formas concretas que nos mostram como isto acontece:

A capacidade de investigar e experimentar

Os consumidores já não ignoram os produtos. Eles são investigadores, especialmente quando fazem uma compra. Estão a ganhar mais conhecimentos à medida que a tecnologia lhes fornece toda a informação que necessitam através da Internet.

Além disso, têm agora muitos conteúdos a que podem recorrer para pesquisar e comparar diferentes produtos. Isto torna possível a experimentação de outra marca antes da escolha final. Assim, é possível ver que o marketing digital deu poder tanto às marcas, como aos consumidores.

Boca a Boca

O boca a boca é um dos fatores que mais afeta o comportamento dos consumidores. Estes estão sempre à procura do que as pessoas dizem sobre uma determinada marca. Com as redes sociais, os consumidores podem agora dar a conhecer as suas opiniões a um público mais vasto.

Isto é cada vez mais importante, tendo em conta que as marcas precisam de influencers que falem sobre elas, a fim de alcançarem cada vez mais pessoas.

Fidelidade incoerente do cliente

O marketing digital expõe os consumidores a uma grande variedade de produtos e serviços. Isto leva-os a procurar uma melhor relação custo-eficiência.

Atualmente, os clientes não só valorizam o custo de um produto, mas também fatores como o apoio ao cliente, o valor da marca e os descontos. Consequentemente, as marcas podem desenvolver mais características diferenciadoras e ofertas.

Embora tal possa parecer um fenómeno novo, é um comportamento que está apenas a ser destacado devido ao marketing digital.

Impulso no envolvimento do cliente

Devido à difusão da tecnologia móvel e da Internet, é mais fácil para os consumidores envolverem-se com as marcas.

Estas, por sua vez, percebendo esta tendência, agem em conformidade, fornecendo precisamente o que os clientes desejam.

Agora, o marketing digital serve de “ouvido” às marcas através dos dados que estas recolhem.

Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial tornou o marketing digital para marcas mais eficiente. É também uma forma eficaz de ajudar os consumidores a fazer melhores escolhas.

As marcas que recorrem à Inteligência Artificial têm uma vantagem significativa sobre as que não o fazem. E, uma vez que os consumidores estão sempre à procura de conveniência, eles irão optar por marcas que utilizam AI.

SEO

Apesar das mudanças que foram ocorrendo no marketing digital, há algo que permanece constante: as pessoas continuam a confiar nos motores de busca para as ajudar a tomar decisões. Portanto, o SEO é uma das melhores práticas para influenciar comportamentos.

A maioria das pessoas usa o Google ou motores de busca semelhantes para procurar informação. E a maioria também nunca passa da primeira página de resultados do Google. Por isso, é importante que mantenha a sua marca visível na primeira página e nos primeiros links da página de resultados.

Desta forma, as empresas criam conteúdos úteis e atraem backlinks para que consigam obter a melhor classificação possível e para se destacarem face à concorrência.

Tire o máximo partido do digital marketing!

Então, o que aprendeu com este artigo? Em primeiro lugar, o marketing digital está em constante evolução e a mudar a forma como os consumidores se comportam.

Em segundo lugar, é importante acompanhar estas mudanças, a fim de se manter à frente da concorrência.

Finalmente, a compreensão de como o marketing digital afeta o comportamento do consumidor pode ajudá-lo a criar campanhas mais eficazes e a melhorar os seus resultados.

Está preparado para testar este conhecimento? Contacte-nos para saber mais.

A magia do Webflow

Diga adeus a longos períodos de programação

O Webflow é uma plataforma de desenvolvimento de website low-code, onde acedemos a um painel de ferramentas com vários componentes, tais como sections, containers, divs, imagens, vídeos ou mesmo sliders. Os códigos HTML, CSS e JS destes componentes são automaticamente gerados pela plataforma.

Uma pontuação SEO perfeita e a velocidade de abertura do website são determinadas pela excelente arquitetura do código que está a ser gerado. Assim, é muito fácil para os sites desenvolvidos em fluxo Web atingir velocidades superiores a 90% no Google Speed Insights.

O Webflow CMS é também muito intuitivo e fácil de usar pelos clientes, tendo como base servidores Amazon S3 para uma gestão rápida do site.

Se é low-code, para que precisamos de programadores?

Como programadores, o Webflow permite-nos trabalhar mais rapidamente em aspetos como a estrutura da página, dando-nos mais tempo para nos concentrarmos no que realmente importa: tempo de desenvolvimento, interações, animações, desempenho e SEO.

Estas são as principais vantagens de desenvolver um website em Webflow:

  • Desempenho
  • SEO
  • Foco na marca
  • Eficiência de custos

Todo o código gerado através do Webflow é validado pela própria plataforma, o que o torna praticamente “à prova de bala”. Por outro lado, não precisamos de nos preocupar com atualizações de plugins ou riscos de segurança, tais como injeções maliciosas de código.

Como escolher entre Webflow e WordPress?

Na Vitamina, desenvolvemos websites adaptados a cada cliente, utilizando WordPress ou Webflow.

"O Webflow permite-nos dedicar mais tempo a interações, animações e desempenho. A parte favorita de todos os programadores de Frontend. E a minha também!” – Pedro Ribeiro, Frontend Developer

O tipo de projeto em que estamos a trabalhar determina se usamos Webflow ou WordPress, sempre com o objetivo de entregar ao cliente um projeto à medida, dentro do prazo mais curto possível!

Por isso, se tiver um projeto ambicioso em mente, não hesite em entrar em contacto. Estamos sempre à altura de um desafio!

Por que razão deve motion graphics nas suas redes sociais

Quando se trata de marketing digital, o vídeo continua a ser uma das formas mais eficazes de comunicação. Mas é também, uma das ferramentas mais utilizadas hoje em dia, especialmente com meios de comunicação social como o Youtube ou o TikTok.

Assim, uma boa opção para utilizar o vídeo de forma diferenciada é através dos motion graphics. 65% das pessoas são aprendizes visuais, por isso, esta é uma boa forma de se relacionar com o seu público. Os Motion Graphics são vídeos animados, podendo ser animações 2D ou 3D ou, como deve saber, GIFS.

Existem muitos tipos diferentes de vídeos animados uma vez que podem ter áudio, voice-over, ou mesmo efeitos sonoros. O facto de não se depender de factores externos como, por exemplo, a disponibilidade de uma equipa para filmar, é uma vantagem dos vídeos animados. Tudo isto acontece dentro do programa de animação e depende sobretudo do motion designer.

Algumas das aplicações dos motion graphics são:

  • Anúncios: online ou na televisão.
  • Vídeos promocionais: qualquer tipo de vídeo que queira produzir relacionado com a sua marca
  • Vídeos explicativos: esta é uma das formas mais comuns de utilização dos motion graphics nas redes sociais. É utilizada para explicar qualquer coisa, um processo ou um tutorial
  • Vídeos de branding da marca: que mostram a cultura da sua marca
  • Vídeos nas redes sociais: a serem utilizados em plataformas sociais e podem ser sobre um produto/serviço ou apenas um vídeo lúdico

Então, por que razão deve utilizar grafismos em movimento nas suas redes sociais?

1. Facilitam a compreensão da informação

A comunicação visual torna-se mais fácil e é processada quase imediatamente. A narrativa visual torna a sua informação mais simples e clara. Também pode fazer com que a informação mundana pareça mais interessante. É aqui que entram os vídeos explicativos porque a utilização de gráficos em movimento para explicar como funciona um processo, produto ou serviço, ou para decompor dados ou informações densas, aumenta as hipóteses de compreensão e envolvimento.

2. Basta observar

As pessoas preferem ver vídeos para aprender informação em vez de a lerem, por isso, enquanto veem vídeos animados a informação está toda para o público consumir, requer menos energia mental.

3. Aumenta o conhecimento da marca

Assim, entre outras empresas no seu mercado,  será muito mais fácil associar a sua marca e o público reconhece rapidamente a sua marca.

4. Podem ser utilizados em vários formatos

Com cada plataforma de comunicação social vêm formatos diferentes e os seus vídeos animados podem ser facilmente adaptados a todos eles, seja na proporção ou duração. Também funciona muito bem em versões móveis. Deste modo, para além de poder ser redireccionado, os gráficos em movimento podem também ser partilhados por muitas pessoas e tipos de meios de comunicação social.

5. Informação mais simples num curto espaço de tempo

Com os vídeos animados, pode dizer mais em menos tempo, e nas redes sociais, onde as atenções estão muito divididas por todos os estímulos visuais, isto é fundamental para aumentar a consciência e o envolvimento da sua marca.

Use o Marketing Automation para gerar mais vendas

Por vezes, sente dificuldade em manter-se a par das últimas tendências e mudanças no marketing? É preciso estar onde os seus clientes estão, mas não há tempo suficiente durante o dia.

A automatização do marketing (Marketing Automation) é uma óptima forma de colmatar essa lacuna. Permite-lhe, entre muitas coisas, acompanhar o comportamento e preferências dos clientes de modo a criar experiências mais personalizadas. Com isto, ajuda a aumentar o envolvimento e as conversões!

Basicamente, qualquer coisa realizada manualmente pode ser automatizada com um software! Continue a ler para descobrir como.

Automatize as suas tarefas de marketing e poupe tempo

Se não tem a certeza de como o Marketing Automation pode ajudar o seu negócio ou se ainda tem de explorar se é uma boa abordagem de marketing, considere as seguintes formas nas quais pode beneficiar o seu negócio:

  • Melhora os resultados de marketing através da identificação de táticas de marketing específicas que foram bem sucedidas no passado.
  • Poupa tempo em tarefas de marketing automatizadas 24/7 de uma forma altamente personalizável, tais como a criação de campanhas de e-mail, análise de websites, gestão de dados, criação de regras, e calendarização de mensagens.
  • Alinha os esforços de marketing com os objetivos empresariais e ajuda-o a criar uma estratégia de marketing que possa ser facilmente compreendida pelas equipas de marketing.
  • Organiza a introdução de novos dados (em etiquetas, listas, automatização) e reduz o tempo gasto na introdução de dados e processos manuais.
  • Aumenta as receitas e o envolvimento com o marketing automatizado através do envio de mensagens atempadas e relevantes porque fornece conteúdo específico para o nível de interesse/conhecimento da lead em relação ao produto.
  • Entrega conteúdos mais pessoais, oportunos e relevantes para as leads e clientes.
  • Capta informações sobre o comportamento dos subscritores, de modo a poder enviar-lhes mensagens ainda mais direcionadas.

Como é que funciona?

Existem inúmeros tipos de software de automação de marketing no mercado, contudo a automação de marketing é mais do que apenas um software.As plataformas de software de automatização de marketing permitem às equipas:

  • Criar campanhas orientadas e medir o ROI através do rastreio de ações tomadas após uma campanha de marketing ter sido enviada. Isto inclui táticas tradicionais de marketing, tais como correio direto, e-mail marketing ou mensagens nos meios de comunicação social, bem como táticas de marketing como vídeos de marketing e campanhas de automação.
  • Construir listas de marketing e ganhar conhecimentos valiosos através da inteligência do software ou da análise de marketing.
  • Gerir potenciais clientes e leads com uma ferramenta de gestão fácil de usar que permite aos marketeers filtrar leads por preferência de marketing, tamanho da empresa, localização e muito mais; permitindo uma melhor formação de leads.
  • Identificar tendências de marketing, acompanhar o desempenho das campanhas, e comparar actividades de marketing com o software de automatização que fornece insights.
  • Recolher, gerir e analisar muitos dados utilizando software de automatização de marketing que se integra com o Google Analytics e outras ferramentas populares de business intelligence.
  • Otimizar as atividades de marketing com sugestões automáticas para novos emails, posts nos meios de comunicação social, landing pages e muito mais com base na análise de dados de conteúdo de alto desempenho com o mais recente software de marketing.
  • Personalizar mensagens de marketing por e-mail com conteúdo dinâmico que inclui dados de clientes de CRMs, histórico de compras detalhado e muito mais.
  • Otimizar a gestão de redes sociais com ferramentas designadas para identificar os principais influenciadores, agendar mensagens para horários específicos do dia, monitorizar palavras-chave e hashtags, partilhar fotos diretamente e monitorizar a comunidade da marca.
  • Centralizar dados de clientes de múltiplos sistemas num só local utilizando software de integração CRM que permite aos marketeers consolidar todos os seus contactos, chamadas, emails e posts sociais num só local sem ter de reintroduzir informação.

Então, porque é que o marketing automation é mais do que apenas software de marketing?

Atualmente, existem muitos tipos de ferramentas de automatização de marketing no mercado, cada uma designada para cumprir metas e objetivos comerciais específicos. Visto que não existe uma solução única, as empresas devem rever cuidadosamente as suas necessidades antes de escolherem uma ferramenta que se adapte à sua cultura, processos e recursos.

As ferramentas de automatização do marketing dividem-se em três categorias: ferramentas de gestão de leads, ferramentas de gestão de campanhas, e ferramentas de gestão de relações com clientes (CRM).

A tecnologia por detrás da automatização do marketing pode ser muito complexa, mas quando repartida nos seus componentes mais simples, podemos ver como se torna mais do que um simples software de marketing.

Segmente para o sucesso

Existem alguns componentes chave para uma campanha de marketing ser bem sucedida: um excelente produto, tráfego direcionado, e automatização de marketing eficaz.

Um grande produto é essencial para qualquer negócio. Sem um produto de alta qualidade, não conseguirá manter a atenção dos seus clientes ou gerar negócios repetidos. Contudo, ter um ótimo produto não é suficiente por si só. Também precisa de gerar tráfego para o seu site, de modo a converter esses visitantes em compradores. E finalmente, precisa de utilizar ferramentas eficazes de automatização de marketing para acompanhar os seus clientes e mantê-los envolvidos em todas as fases.

Mas um bom ponto de partida para descobrir o funil de vendas e uma fórmula de mercado maior é analisar em que fase do processo de compra o seu produto ou serviço se insere.

Por exemplo, se o seu produto é algo que as pessoas precisam de comprar imediatamente, tal como um artigo alimentar ou um medicamento, então o seu funil de venda será provavelmente mais curto com um tamanho global de mercado menor. Contudo, se o seu produto for algo que as pessoas possam levar o seu tempo a decidir - tal como um carro ou uma casa - então o seu funil de vendas será mais comprido com um tamanho global de mercado muito maior.

Primeiro, precisa de compreender o seu mercado. Quem são os seus clientes ideais? Que necessidades é que eles têm que não são atualmente satisfeitas?

Quando souber isso, pode começar a criar um funil de vendas que os atrairá e os converterá em clientes.

As etapas básicas de um funil de venda são:
  • Sem noção do problema (60%)Neste momento, é necessário atrair potenciais clientes com conteúdos ou ofertas que os atraiam.
  • Consciente do problema (20%)Sim! Está a levá-los ao ponto em que estão prontos para comprar.
  • A recolher informação (17%)Mesmo assim... A sua decisão final será tomada após terem recolhido mais informações.
  • Pronto para comprar (3%)E finalmente... Eles estão mais do que prontos para fechar a venda!

Com as ferramentas certas, pode automatizar as suas tarefas de marketing e conduzir mais leads e vendas através do seu website.

O Marketing Automation facilita a criação de campanhas de correio eletrónico direcionadas, o envio automático de posts nos meios de comunicação social, e a publicação de conteúdos valiosos que atraem clientes!

Ajuda-o a fechar mais vendas durante todo o ciclo até à compra, independentemente do dispositivo ou do canal.

E se combinar isto com marketing baseado em valor, uma estratégia que se foca na criação de valor para os clientes em vez de competir no preço, criará uma ligação com os seus clientes e estabelecerá confiança. Desta forma, torna-se mais fácil construir relações com os seus clientes e convencê-los a comprar.

E quando os clientes confiam em si, é mais provável que voltem e o recomendem a outros!

Se não está a automatizar, está a ficar para trás

Se ainda não está a utilizar o Marketing Automation, está na hora de começar!

As grandes empresas do mundo estão a fazê-lo, e não há razão para que não possa ser uma delas. Na sua essência, a automatização do marketing consiste em criar lealdade e impulsionar receitas através de mensagens relevantes. E isso é algo do qual o seu negócio pode definitivamente beneficiar.

Pronto para começar? Diga-nos como podemos ajudar.

3 hábitos saudáveis de SEO

Tornar conteúdos visíveis com SEO deve estar na génese da criação dos conteúdos digitais. Deve ser parte do processo de escrita, de publicação e divulgação.

Ahava Leibtag disse num vídeo publicado pela Gather Content que “o conteúdo só é realmente útil ou valioso quando as pessoas o conseguem encontrar”. Desta forma, para esta consultora, a melhor forma de ajudar as pessoas a encontrar o conteúdo que procuram é promovê-lo. E para que ele seja encontrado é necessário incorporar verdadeiramente boas práticas de SEO (Search Engine Optimization) em qualquer estratégia de conteúdo.

VER TAMBÉM: 4 motivos para o usar o storytelling no content marketing da sua marca

Ao envolvermos aquilo que significa SEO na estratégia de conteúdo, estamos a criar um hábito. Algo que irá melhorar substancialmente a forma como os conteúdos são apresentados a quem os procura.

As boas práticas de SEO devem ser integradas numa perspetiva holística, uma vez que desta forma vão ser pensadas para todos os ciclos do funil de vendas e não apenas para um dado momento ou campanha. Tornar conteúdos visíveis com o uso das ferramentas SEO deve estar na génese da criação de todos os conteúdos digitais. Deve fazer parte tanto do processo de escrita como do processo de publicação e divulgação.

Para serem passíveis de serem encontrados pelos algoritmos, no meio do turbilhão diário de informação, devem encher-se de uma boa dose de otimização para os motores de pesquisa.

Eis 3 dos hábitos mais saudáveis e recomendáveis para uma estratégia de conteúdo que tenha desejos de um alcance maior orgânico:

1 - Pesquisar, pesquisar, pesquisar

3 hábitos saudáveis para incorporar SEO

O ato de pesquisa é essencial a quem trabalha conteúdos. Sendo ele também o mesmo tipo de comportamento que o utilizador usa para, muitas das vezes, encontrar conteúdo relevante, nada melhorar que ajudá-lo a encontrar o que procura.

Procurar, sondar, inquirir, apurar e indagar são verbos de uma prática que se quer diária para quem trabalha a estratégia de conteúdos. Desde logo pesquisar pelas palavras-chave certeiras será uma excelente forma de ficar a par das dúvidas, anseios e desejos do seu público-alvo. E há por aí tantas ferramentas que ajudam a encontrar conceitos, perguntas e palavras, que o ato de escrever um artigo será engrandecido e irá de encontro ao que o seu buyer persona precisa.

Depois desta fase, passamos à optimização da lista de palavras-chave. Ir para além daquilo daquilo que encontrou, torna favorável a criar textos assertivos e relevantes. Por isso, use e abuse dos sinónimos dessas palavras-chave. Não repita, varie termos e acrescente significado em forma de frases (Long-tail keywords). Tudo isto, favorece a indexação semântica dos motores de pesquisa ao conteúdo que está a promover.

2 - Escrever para o algoritmo

3 hábitos saudáveis de SEO

O algoritmo adora conteúdos. Não é de ficar espantado que cada vez mais empresas apostam em espaços próprios para conteúdos diversos, como os blogues. No entanto, para que o algoritmo coloque aquele conteúdo acessível aos utilizadores não é difícil.

Antes de tudo, tem de ser [extremamente] útil. E só o será se quem o escrever tiver o primeiro hábito completamente dominado. Pode ser um conteúdo com 500 palavras ou um com mais de 2000. O importante é ser interessante o suficiente para ser lido. E os motores de pesquisa gostam de artigos otimizados e que tenham “tudo no sítio certo”. Isto significa, que preferem artigos com profundidade, dicas e exemplos concretos. Eis algumas das dicas SEO para quando estiver a criar conteúdo escrito, e queira vê-lo ser lido por mais de 10 pessoas:

  • Textos com leitura diagonal: a primeira leitura de um texto é feita da esquerda para a direita e imediatamente na diagonal. Promover pontos de atenção, com título assertivo, divisão de blocos de textos por sub-títulos (de H1,H2 e H3) e palavras-chave nos lugares certos oferece ao utilizador pistas rápidas para perceber se o artigo é interessante e merece ser lido.
  • O uso de imagem: as imagens ajudam ao entendimento daquilo que se está a querer dizer e aliviam os blocos de texto mais longos. Uma das melhores práticas SEO é nunca esquecer que cada imagem deve acrescentar significado e nunca ser um elemento que distraía a leitura. As imagens usadas devem também ter uma pequena descrição ALT sobre do que se trata. Outro ponto essencial - mais técnico e sabido - é a qualidade, proporcionalidade e peso das imagens.

3 - Entender a tecnologia

3 hábitos saudáveis de SEO

Para realmente entender a tecnologia, devemos atualizar aquilo que sabemos de forma continuada. Aliás, é um conselho a promover para ficar a par das novidades em SEO. É oportuno aqui referir que os conceitos H1, Title Tag, ALT, Page Speed, Link juice são termos que fazem parte da inserção de SEO na sua estratégia de conteúdos e devem estar implícitos ao editar e publicar o seu conteúdo online. Assim, globalmente é essencial estabelecer, dentro daquilo que é a experiência do seu utilizador no seu site, o seguinte:

  • Tempo - significa verificar se a velocidade de carregamento do site (que pode ser testado nesta página) é boa;
  • Tempo - o tempo que o utilizador passa numa página de um site versus o índice de rejeição são assuntos aos quais devemos prestar muito atenção;
  • Site Responsivo: a propósito deste assunto, leia o artigo A importância de pensar responsive no marketing digital.

Estes são fatores críticos, que segundo Ahava Leibtag podem “garantir que o seu conteúdo seja viável e bem sucedido”.

No fundo, o que se pretende com estas boas práticas de SEO no conteúdo é poder ajudar o nosso público-alvo naquilo que procuram e, inevitavelmente ajudar na concretização dos objetivos traçados para a estratégia de conteúdos de uma empresa.

Análise das práticas SEO aplicadas a este artigo

Título:

  • Tamanho entre 55 a 67 carateres = 66 carateres, 10 palavras
  • Teste de Skimming: (três primeiras palavras) 3 hábitos saudáveis
  • Tipo de título: Lista
  • Tamanho do texto: 1.151 palavras, não muito longo a seguir a um H1
  • Palavras-chave: ver tags do artigo

Cabeçalhos:

  • Title
  • H1:
  1. Pesquisar, pesquisar, pesquisar
  2. Escrever para o algoritmo
  3. Entender a tecnologia
  • H2
  1. Análise da práticas SEO aplicadas a este artigo
  • Uso de Bullets

Links externos: Gather Content

Links internos: 4 motivos para o usar o storytelling no content marketing da sua marca

Imagem de Capa: com ALT "3 hábitos saudáveis para incorporar SEO"

Título SEO: 3 hábitos saudáveis de SEO

Slug (URL): 3-habitos-seo-saudaveis

Descrição: Tornar conteúdos visíveis com SEO deve estar na génese da criação dos conteúdos digitais. Deve ser parte do processo de escrita, de publicação e divulgação.

Palavra-chave principal: conteúdos visíveis com SEO

NOTA: A autora deste conteúdo foi Sandra Oliveira e foi a primeira guestblogger a participar no blog da Vitamina. Bem vinda, Sandra!